Lamento, mas a TSF não é a Ensitel

Compreendo a tentação e a oportunidade de comparar o "Caso do Fórum TSF" de hoje ao famoso "Caso Ensitel". Anima as hostes e tem uma palavra-chave-mágica.

 

Mas é um exercício fácil apenas na aparência. É difícil separar a análise de gestão de crise da análise político-mediática.

 

Conheço bem os fóruns TSF, seguidos maioritariamente por dever profissional. Quem conhece, sabe que são, salvo raras excepções, duas penosas horas em que convulsamos entre o desabafo pessoal, o ódio irracional e, mais raramente, o registo apologético - qualquer que seja o tema.

 

Posto isto, o que é que a "enxurrada" de panegíricos a José Sócrates e ao PS (que não ouvi, mas li relatos) tem a ver com o caso Ensitel? Nada.

 

Recordando:

- A Ensitel processa uma blogger e obriga-a a retirar posts do seu blog

- Depois de milhares de comentários negativos na sua página do facebook, aos quais não dá resposta, a Ensitel decide apagar todos os posts.

- Uma semana mais tarde, vem pedir desculpa e retira a acção contra a blogger.

O caso Ensitel tornou-se portanto um case study exactamente pela má gestão da crise nas redes sociais.

 

No caso deste Fórum TSF, a polémica foi gerada pela dúvida levantada - pelo outro lado da "barricada" - quanto à isenção da estação de rádio e eventual "filtragem" de opinião. E essa polémica foi debatida, essencialmente, porque naturalmente, nas redes sociais, nomeadamente no Facebook.

 

Quanto a tudo o resto, qualquer comparação é mero oportunismo. Aparentemente, os comentários estão a ser postados livremente na página do facebook da TSF e o director da estação, Paulo Baldaia, comunicou na mesma página o seu esclarecimento, logo que a polémica "rebentou".

 

O "Caso do Fórum TSF" devia ser um case study, mas não de gestão de crise nas redes sociais.

tags: ,
publicado por Alda Telles às 19:12 | link deste post | comentar