É a psicologia, estúpido

 

 

 

"Em declarações à Lusa, o economista João Duque advertiu ainda para os gastos públicos, que justificam também a existência dos números crescentes da economia paralela. "As pessoas não fazem a menor ideia do dinheiro mal gasto. Não se apercebem da dimensão financeira do aumento de uma frota, por exemplo, mas reparam quando um governante circula com um carro com uma matrícula recente. E, como é óbvio, tudo isto tem uma componente psicológica, que leva as pessoas a pensar que economia paralela é justificável", disse.

 

 

A economia procurou, durante muitos anos, o upgrade da sua condição de ciência social para uma ciência quase-exacta. E conseguiu, nos últimos 30 anos, passar a imagem de ser, pelo menos, a ciência social mais exacta.

Infelizmente, as frequentes incapacidades reveladas dos modelos teóricos, não só na previsão como na explicação de fenómenos (com um redescobrimento recente de Karl Marx), tem-na conduzido, pouco a pouco, insidiosamente, para o reduto das ciências ocultas. Para combater esta injusta deterioração da sua reputação, os economistas alargam agora o seu campo de análise à psicologia. E as previsões económicas têm vindo a melhorar bastante.

tags:
publicado por Alda Telles às 12:16 | link deste post | comentar