Madona, Berlusconi, o Economist: o triângulo surpreendente

 

Madona foi a Veneza fazer uma promoção no Festival de Cinema e criticou o primeiro-ministro italiano Berlusconi, dizendo, nomeadamente, que ele não está à altura das funções que desempenha.

 

Importa-se de concretizar?, desafiaram os jornalistas. "Não é preciso, já foi tudo dito pelo Economist" - foi, mais coisa menos coisa, o que Madona respondeu.

 

É um dia de glória para o Economist, a minha publicação de referência para saber o que se passa pelo Mundo. E um momento simpático para aqueles que, como eu, são fãs de Madona.

 

Há anos, quando já andava nestas vidas, a Rádio Comercial, num aniverário da estação, convidou-me para fazer um programa que recordasse a minha vida passada na Sampaio e Pina e chamei-lhe "Madona foi a minha professora de marketing". Meio a sério, meio a brincar.

 

Mas, nunca a teria imaginado a citar o Economist. 

publicado por lpm às 18:49 | link deste post | comentar